Quando um paciente perde muito peso – seja a partir de atividades físicas, dietas ou as duas coisas combinadas – e na sequência recupera o peso perdido inicialmente, acontece o que chamamos de efeito sanfona. Essa oscilação de peso é prejudicial para a saúde e pode ter impactos na recuperação de uma cirurgia plástica.

O ganho de peso causa distensão da pele e pode levar ao aparecimento de estrias, que são cicatrizes atróficas. A pele desse tipo de cicatriz é mais fina, com redução da epiderme e da derme e alteração das fibras elásticas e colágenas.

As estrias são muito comuns nas mamas, no abdômen e na face interna das coxas. Em alguns casos elas podem ser tratadas inclusive com cirurgias plásticas, pois podem ser removidas em mamoplastias redutoras, na mastopexia e na abdominoplastia. Outros tratamentos possíveis são não cirúrgicos, como o uso tópico de ácidos, o laser e a carboxiterapia, que podem ser utilizados para melhorar o aspecto das cicatrizes atróficas.

E-book Cirurgias do contorno corporal

E por que estamos falando de estrias? Algumas estrias residuais podem prejudicar o resultado de uma cirurgia plástica, principalmente quando elas se encontram com a cicatriz da própria cirurgia, o que pode complicar a sua evolução.