Como visto no segundo texto desta série de 10 sobre rejuvenescimento facial, a maior parte dos sinais de envelhecimento é decorrente da combinação de 3 grandes alterações:

1. Piora da qualidade da pele

2. Perda de volume, especialmente dos ossos da face

3. Efeitos da gravidade com queda dos tecidos

Apresentamos, hoje, uma sequência passo a passo para você melhorar a qualidade da sua pele.

Cada paciente deve ser avaliado por um dermatologista ou cirurgião plástico para receber indicações voltadas exclusivamente para o seu caso. No entanto, seguem quatro passos para uma melhoria geral da qualidade da pele.

Etapa 1: Limpeza

Deve ser realizada pela manhã e antes de dormir. Produtos contendo vitamina C, ureia, glicerina e óleos vegetais são os mais usados. A limpeza deve ser feita com movimentos suaves para não remover as camadas protetoras da pele.

Exemplos de produtos de limpeza da pele:

Pele normal e seca: Cathaphil Cleanser, Dermovitin Soft.

Pele oleosa: Actine sabonete líquido, Aquaclin Ácido Salicilico Barra, sabonete de glicerina vegetal Granado.

Etapa 2: Hidratação

A hidratação deve ser realizada após a limpeza da pele com soluções de água em óleo que podem conter uma ou mais substâncias como: glicerina e ácido hialurônico para pele normal; glicerol e ureia para pele seca; propilenoglicol e óleo mineral para pele oleosa.

Exemplos de hidratantes faciais:

Pele seca e sensível: Fisiogel A.I. creme, Hidrafil pele normal ou pele seca.

Pele oleosa: Clinique Dramatically Different Gel, Hidrafil pele oleosa.

Etapa 3: Reparo

Soluções tópicas – cremes

As substâncias mais frequentemente usadas são:

- Tretinoína (ácido retinoico), ideal para tratar dano solar.

- Ácido glicólico, que suaviza a pigmentação da pele e manchas tipo melasma.

- Hidroquinona, um potente clareador da pele.

As fórmulas reparadoras frequentemente são manipuladas e ajustadas para cada paciente.

Microdermoabrasão

É um procedimento realizado em consultório, sem necessidade de anestesia. Indicado para pacientes com pele oleosa, poros dilatados, pele espessa, cicatrizes de acne, melasma e manchas solares.

Luz pulsada

É um recurso não invasivo e não cirúrgico, realizado em consultório, usualmente sob anestesia tópica (pomada anestésica). Indicado para tratamento de telangiectasias (vasos sanguíneos superficiais na pele), cicatrizes hipertróficas e vermelhas, pelos faciais e manchas.

Laser

É um recurso não invasivo e não cirúrgico, realizado em consultório, usualmente sob anestesia tópica. Melhora rugas, elasticidade e turgor da pele.

Toxina botulínica – Botox

Apesar de não atuar diretamente sobre pele, a toxina botulínica promove um relaxamento muscular das áreas tratadas, combatendo, assim, as rugas faciais.

Etapa 4: Proteção solar

Um bom programa de cuidados com a pele nunca é completo sem o uso apropriado de um filtro solar. O filtro deve ser usado antes da maquiagem e reaplicado no mínimo uma vez ao longo do dia. Pacientes com pele oleosa devem dar preferência a filtros solares sem óleo.

O programa de cuidados com a pele é fundamental na complementação do rejuvenescimento facial. A paciente abaixo, além de se submeter ao face lift, seguiu o programa de cuidados com a pele, reduzindo manchas e rugas e melhorando o aspecto geral da derme.

No próximo texto, o 5o de uma série de 10, será abordado o tema: “Como restaurar o volume da face?”

Referências bibliográficas:

1 – The art of aesthetic surgery: principles and techniques/Foad Nahai.

2 – Lasers Surg Med. 2013 Sep; 45(7): 405-9. doi: 10.1002/lsm.22162. Epub 2013 Aug 7.

Combined treatment for facial rejuvenation using an optimized pulsed light source followed by a fractional non-ablative laser. Chan CS1,Saedi N,Mickle C,Dover JS.

3 – J Drugs Dermatol. 2009 Sep; 8(9): 862-7. Benefits of using a hydroquinone/tretinoin skin care system in patients undergoing intense pulsed light therapy for photorejuvenation: a placebo-controlled study. Woodhall KE1,Goldman MP,Gold MH,Biron J.

4 -Topical tretinoin for photoaged skin. Kligman, A.M.; Grove, G.L.; Hirose, R.; Leyden, J.J. Journal of the American Academy of Dermatology, 1986, vol.15(4), pp.836-859.