Uma rotina estressante, com poucas horas dedicadas ao sono, estampa no rosto de muitas mulheres um resultado nada desejado: as famosas olheiras. Mas essa não é a única causa das temidas manchas ou bolsas abaixo dos olhos, assim como o bom e velho corretivo também não deve ser encarado como a única solução para se livrar delas.

De maneira geral, olheiras surgem pela alta concentração de melanina ou em decorrência do congestionamento dos vasos capilares da região em torno dos olhos. A partir daí, fatores como cansaço, alergia, envelhecimento, excesso de sol e noites maldormidas costumam atuar apenas como mais um gatilho para agravar o problema.

Para escolher dentre as opções de tratamento disponíveis, o primeiro passo é compreender o tipo e a causa das suas olheiras.

Hereditariedade: são os casos em que se percebe acúmulo de vasos sanguíneos nas pálpebras. A pele fica com um tom avermelhado-escuro. Piora na época da menstruação e com o cansaço.

Excesso de pigmentação: são as manchas escuras generalizadas (arroxeadas em peles claras ou amarronzadas em peles escuras) ao redor dos olhos, resultado da estagnação de sangue.

Bolsas de gordura: protegem o globo ocular, mas um dia começam a ceder. Esse processo é chamado de proeminência e, normalmente, ocorre a partir dos 37 anos.

A boa notícia é que, para cada um dos tipos anteriormente listados, existem procedimentos eficazes e acessíveis a qualquer mulher. A única ressalva refere-se aos casos genéticos, que podem voltar com o tempo ou demorar mais para clarear.

Remédios naturais

Chá de camomila: possui ação calmante e anti-inflamatória, auxiliando na redução da cor das olheiras. Prepare um chá concentrado, espere esfriar e coloque alguns minutos no freezer, com o saquinho. Aplique sobre os olhos e deixe agir por 10 ou 15 minutos. Faça a compressa deitada, com a cabeça elevada. Caso não tenha chá de camomila, substitua por chá verde.

Água boricada ou soro fisiológico: umedeça pedaços de algodão e coloque-os no congelador. Quando estiverem bem gelados, aplique-os na região dos olhos.

Pepinos e batatas: não são os melhores produtos para tirar as olheiras, mas não devem ser descartados. Isso porque, no caso do pepino, ele é composto 90% por água. São os outros 10%, que contém vitamina C e ácido fólico, os excelentes regeneradores celulares.

Máscara caseira: misture uma xícara de chá de leite com uma colher de sopa de maisena e uma colher de sopa de mel. Leve ao fogo até engrossar. Quando a mistura estiver morna, aplique uma camada grossa na área dos olhos e cubra com um pedaço de algodão umedecido. Fique deitada por 15 minutos. Em seguida, lave com bastante água e passe um creme hidratante.

Tratamentos estéticos

Peeling: indicado, principalmente, para o combate às olheiras com excesso de pigmento – aquelas de coloração amarronzada. A substância utilizada no procedimento é capaz de clarear essa área da pele, eliminando assim as manchas. O peeling mais indicado é o de ácido tioglicólico, que deve ser realizado semanal ou quinzenalmente, numa média total de 10 sessões.

Drenagem linfática: tratamento localizado na área dos olhos e testa para aumentar a microcirculação da região, eliminando assim o inchaço e as manchas arroxeadas. É mais indicada para olheiras edematosas (aquelas que apresentam inchaço na pálpebra) e costuma apresentar resultados rápidos com sessões semanais.

Laser: funciona especialmente quando o aparecimento das olheiras é resultado do excesso de melanina. O laser é capaz de destruir o pigmento escuro. Os resultados obtidos são duradouros e podem ser notados logo após a primeira sessão. A novidade aqui é o laser de luz pulsada, que ganhou uma nova ponteira capaz de atingir camadas profundas da pele e proporcionar, além do clareamento das manchas e vasos, a revitalização e firmeza por meio do estímulo à produção de colágeno. São necessárias de 3 a 5 sessões.

Preenchimento com ácido hialurônico: quando a cavidade do globo ocular é muito funda, surge um sombreamento natural, que agrava o escurecimento da região. Para esses casos, o preenchimento com ácido hialurônico é o mais indicado. Ele estimula a formação da rede de colágeno e diminui a transparência da pele na região, o que acaba por esconder os vasos roxinhos. Contribui também para diminuir a diferença de nível existente entre as bochechas e as olheiras. O procedimento é realizado em uma única sessão e deve ser refeito uma vez a cada seis meses.

Carboxiterapia: com uma picada superficial, o tratamento injeta gás carbônico na pálpebra inferior, melhorando assim a oxigenação da área. Isso ajuda na eliminação de pigmentos e toxinas que causam as olheiras, além de estimular a produção de colágeno para suavizar marcas de expressão. É indicado para quem tem olheiras associadas à flacidez e linhas finas ao redor dos olhos. São necessárias de 15 a 20 sessões, com periodicidade semanal.

Já a cirurgia é tida sempre como a opção mais radical para o tratamento das olheiras. É indicada para mulheres que apresentam bolsas de gordura excessivas embaixo dos olhos ou pigmentação muito acentuada. Nesses casos, a técnica utilizada é a blefaroplastia, que consiste na realização de um corte externo, próximo aos cílios inferiores.  Ao retirar os abaulamentos causados pelas bolsas, a pele fica mais lisa e com menos zonas de sombreamento, suavizando as olheiras. A cirurgia é feita em uma sessão única, com duração aproximada de 30 a 40 minutos, e o tempo de recuperação varia de 30 a 60 dias.

Vale ressaltar que as dicas e procedimentos aqui listados não substituem a necessidade de se consultar um médico. Dermatologistas e cirurgiões plásticos poderão avaliar as suas olheiras e sugerir a melhor opção de tratamento para se livrar delas definitivamente.