Todo mundo já ouviu falar em drenagem linfática. Seja para dar alívio à futura mamãe ao longo da gestação, contribuir na redução dos sintomas do período pré-menstrual ou ajudar na recuperação de uma cirurgia plástica, toda mulher conhece alguém que já fez ou já viveu alguma experiência relacionada a este tipo de “tratamento”. Mas, por que ele é tão indicado em situações como, por exemplo, o pós-operatório?

Voltemos às aulas de Biologia. Como o próprio nome já nos sinaliza, a drenagem linfática está diretamente relacionada a uma rede complexa de vasos, semelhante ao Sistema Circulatório, que está presente em todas as regiões do corpo: o Sistema Linfático. Ele representa uma via secundária de acesso por onde líquidos provenientes dos espaços celulares são devolvidos ao sangue.  Sua estrutura é composta por gânglios linfáticos ou linfonodos, capilares linfáticos e vasos linfáticos que produzem e transportam um líquido denominado linfa dos tecidos para o sistema circulatório. Ficou complicado? A gente explica.

Pense no Sistema Linfático como um emaranhado de ruas e avenidas espalhado pelo seu corpo. Ele existe para garantir que os linfócitos (células brancas do sangue responsáveis pelo combate às infecções e doenças) cheguem a todos os lugares. O grande problema é que, diferentemente da circulação sanguínea, que conta com uma potente bomba chamada coração, a linfa depende, principalmente, da contração muscular para poder circular.

drenagem linfática

Quando nosso corpo passa por uma intervenção cirúrgica, durante a recuperação nosso corpo demanda uma maior quantidade de oxigênio, nutrientes e células imunológicas. Em consequência, aumenta também a circulação nessas áreas e, com isso, os vasos acabam por despejar uma maior quantidade de líquido no local. É assim que surgem os edemas, tão comuns após a realização de uma cirurgia. Esse aumento na circulação associado a uma redução na atividade física faz com que a linfa também se acumule, provocando inchaço.

Infelizmente, o surgimento de edemas é algo inevitável no pós-operatório, mas seus efeitos e sintomas podem ser minimizados pela drenagem linfática. A função desse tipo de massagem é estimular, por meio de movimentos leves e suaves, a circulação e consequente eliminação dos líquidos retidos pelo nosso corpo. Os benefícios são a redução do inchaço, alívio da dor e relaxamento global.