A falta de tempo ou até mesmo a comodidade de não precisar passar por mais de um momento pós-operatório faz com que a procura por cirurgias combinadas aumente cada vez mais. Mas existem perigos nessa prática?

A princípio, a combinação de cirurgias não é prejudicial, sendo indicada em muitos casos, mas para tudo ocorrer bem é necessário seguir uma série de orientações para não colocar a segurança do paciente em risco. Veja algumas:

Saúde

É preciso avaliar se o paciente apresenta doenças que podem influenciar na cirurgia e na recuperação, como diabetes, pressão alta ou problemas cardíacos.

Tempo

As cirurgias muito longas e complexas necessitam de uma atenção especial. Nesses casos, a combinação com outro procedimento deve ser evitada.

Planejamento da cirurgia

O planejamento também é de grande importância para o sucesso das cirurgias. Quando se faz mais de um procedimento por vez, é normal que o período pós-operatório seja mais longo e, por isso, o paciente precisa se programar em relação ao tempo e à ajuda necessária para se recuperar.

Bom senso

É indispensável que médico e paciente tenham uma conversa realista sobre as expectativas e riscos das cirurgias, procurando o melhor caminho e evitando cirurgias em excesso.

Procedimentos que podem combinados

Outro fator importante a saber é: quais cirurgias são combinadas entre si, pois existem procedimentos que combinam e outros não. As associações mais comuns são: lipoaspiração e abdominoplastia, lipoaspiração e cirurgias da mama, blefaroplastia e ritidoplastia, entre outras.

Vale ressaltar que as indicações podem variar de caso para caso, mas o que nunca deve mudar é a segurança tanto no momento da cirurgia quanto no momento da recuperação. Se você ainda tiver alguma dúvida sobre as combinações ou de qualquer outro procedimento, entre em contato conosco.