Vamos ser bem diretos: não existe um número padrão de sessões de drenagem pós-cirúrgicas. Cada corpo tem características diferentes e cada organismo reage de maneira única. Conforme explica o Dr. Thiago Degani: “Tudo começa com a liberação da paciente, pelo cirurgião, para início das sessões de drenagem. É o médico quem determinará quando a paciente poderá se submeter à drenagem”. Geralmente, o tempo de repouso varia entre três e cinco dias.

Após a liberação do médico, cabe à paciente sentir o estado do seu corpo e dizer ao fisioterapeuta responsável pela drenagem o quão tolerante ela está às ua dor. Detalhe: a dor é natural e faz parte do processo de recuperação. Como se trata de uma massagem, a conversa e troca de informações entre paciente e fisioterapeuta é fundamental para que ambos entendam qual a melhor medida para os toques. Somente após os primeiros procedimentos de drenagem é que a paciente e o fisioterapeuta vão compreender qual o número ideal de sessões.

Uma recomendação extremamente eficaz é realizar 10 sessões de drenagem linfática, dia após dia, seguidamente. Não há dúvidas de que, seguindo essa recomendação, os resultados alcançados, ao final de todo o período pós-operatório, serão excelentes.

Sobre os benefícios, são necessárias, no mínimo, cinco sessões para aparecerem. Em alguns casos, esse número pode até aumentar.

Quer saber mais sobre o assunto?  Leia os textos “A importância da drenagem linfática no pós-operatório” e “Benefícios da drenagem linfática após a cirurgia