Já falamos aqui no nosso blog sobre o ciclo de crescimento do cabelo e algumas causas da queda capilar. Hoje, vamos aprofundar uma delas: o eflúvio telógeno. Se você ainda não leu o texto anterior, é só clicar aqui.

O eflúvio telógeno é marcado pela queda exagerada dos cabelos, entre aproximadamente dois e quatro meses após o paciente passar por “evento estressante” para o organismo. O estresse faz com que os folículos anágenos (em crescimento) entrem de forma precoce na fase telógena (repouso), etapa do ciclo capilar em que o fio se desprende do couro cabeludo.

O eflúvio deixa os cabelos rarefeitos e em 30% dos quadros é possível que o paciente também tenha dor. A queda pode ser bastante intensa, com perda, em casos mais extremos, de até 600 fios por dia.

Causas do eflúvio telógeno

As causas do eflúvio telógeno podem ser: pós-parto, uso de alguns medicamentos, febre, dietas de emagrecimento, estados tensionais, doenças sistêmicas, radiação solar, dermatite de contato no couro cabeludo, deficiência proteica, falta de ferro e zinco, entre outras. Recentemente, é possível ver nos consultórios alguns casos de eflúvio telógeno após o paciente ter desenvolvido um quadro mais grave de dengue.

Em relação às deficiências nutricionais, é importante ressaltar que o cabelo é o primeiro a sofrer e o último a se recuperar. Os cabelos são constituídos principalmente por proteínas, mas também necessitam, na sua formação, de várias vitaminas e minerais como, por exemplo, o ferro.

É preciso que o paciente realize exames laboratoriais para descartar algumas doenças, assim como também diagnosticar a falta de nutrientes no organismo.

Tratamento

O tratamento será direcionado de acordo com a causa e de forma a repor o que o organismo precisa. Uma alimentação balanceada e rica em proteínas, frutas, legumes e verduras são de grande valia. O controle do quadro emocional e do estresse também pode ser importante em casos específicos.

A melhora do quadro não é imediata. A queda acentuada é a primeira a melhorar, porém a recuperação da densidade do cabelos pode demorar alguns meses para voltar ao normal. Quando o cabelo é muito longo, pode demorar até um ou dois anos para a completa recuperação do comprimento, já que o crescimento é de, em média, 1cm ao mês.

Alguns casos de eflúvio telógeno podem ter duração maior: geralmente ocorrem em pessoas com doenças crônicas intestinais ou mesmo sistêmicas, pacientes que passaram por uma cirurgia bariátrica, mulheres com perda acentuada de sangue nas menstruações ou até mesmo o próprio estresse. Esses quadros são crônicos e a queda diária não é tão acentuada, porém há afilamento e rarefação gradual dos cabelos. O tratamento deve ser indicado por um médico dermatologista.

Tem alguma dúvida ou quer saber mais sobre os tratamentos? É só clicar aqui e enviar a sua mensagem. Acompanhe o nosso blog, no próximo texto falaremos sobre a alopecia areata, outra causa da queda de cabelo.