As causas para o aparecimento da acne são múltiplas e se originam na unidade pilossebácea, isto é, na glândula sebácea que fica junto ao pêlo. Há quatro fatores importantes para o surgimento da acne: inflamação, obstrução do poro da pele (também conhecida como hiperqueratinização do ducto folicular), aumento da produção de sebo e colonização pela bactéria Propionibacterium acnes.

Nesse contexto, os alimentos podem ter influência no aparecimento ou no agravamento de casos de acne. Estudos mostram que a dieta ocidental rica em açúcar, carboidratos e gorduras – ou seja, dietas com alta carga glicêmica aumentam a ocorrência da acne. Isso porque esse tipo de alimentação aumenta a produção de IGF-1 (fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1), que levaria a uma  mudança na característica do sebo e, por sua vez,  à obstrução do poro da pele e ao aumento da bactéria implicada na acne.

Outros estudos interessantes sobre influência da alimentação na acne foram realizados por Katta R. e colaboradores e Melnik B.C. e colaboradores. Ambos relataram que hormônios androgênicos presentes no leite poderiam aumentar a produção de IGF-1 e, por isso, acabariam por contribuir para o agravamento ou surgimento da acne. Porém, mais estudos são necessários para comprovar essa afirmativa.

Análises de amostras de pele revelaram que pessoas com dietas de baixo índice glicêmico conseguem reduzir o tamanho das glândulas sebáceas e da inflamação, com diminuição de citocinas inflamatórias. Populações com baixo consumo de açúcar refinado, leite e derivados apresentam baixa frequência ou até mesmo ausência das tão odiadas espinhas.

Acne e alimentação


Acne nas mulheres

Apesar de ser mais comum na adolescência, a acne pode persistir na idade adulta, sendo mais frequente nas mulheres do que nos homens. Fatores genéticos e hormonais estão envolvidos na acne da mulher e uma investigação hormonal mais detalhada pode ser necessária se a acne vier acompanhada de irregularidade menstrual e/ou presença de características masculinas, como a presença de pelos espessos na face.

Mulheres com a Síndrome do Ovário Policístico (SOP), por exemplo, podem apresentar acne, irregularidade menstrual, obesidade, resistência à insulina, entre outras alterações hormonais. Entretanto, na maioria dos casos, mulheres adultas com acne não têm SOP e também não apresentam alterações nos seus exames hormonais. Acredita-se que esse problema pode ser resultado de uma resposta exacerbada da glândula sebácea aos hormônios andrógenos circulantes perfeitamente normais.

Indiferente da origem da acne, seu tratamento deve ser realizado sempre de forma mais ampla: além de medicações específicas receitadas pelo médico, é necessário iniciar hábitos alimentares mais saudáveis, com maior consumo de frutas, vegetais, peixes e menor consumo de produtos industrializados. Com atitudes multidisciplinares, os resultados podem surpreender.