Uma discussão comum nos consultórios de cirurgia plástica é relacionada à indicação de próteses de silicone redondas, anatômicas ou em gota. De maneira geral, os implantes anatômicos são indicados em dois casos:

1. Pacientes que não desejam um colo muito redondo, “marcado” e preferem o polo superior das mamas mais vazio;
2. Pacientes que apresentam o polo inferior das mamas muito curto, menor que 4cm.

Esse tipo de implante, além de ser mais caro, está mais sujeito a sofrer com rotações, o que pode promover deformidades mamárias, podendo ser necessária nova operação para corrigir o problema.

O que se observa na prática médica é que, após um período de cerca de dois anos, todas as próteses de silicone  acabam ficando com o mesmo formato, redondo. Isso se justifica pelo simples princípio da física, em que os vetores de tensão ao redor dos implantes só se estabilizam na forma esférica.

Essa observação foi confirmada em um estudo realizado na Espanha, publicado em 2017, que comparou pacientes com implantes redondos e anatômicos e chegou à conclusão de que, dado o período de recuperação pós-operatório, não era possível identificar clinicamente qual era o tipo de prótese de silicone da paciente.

Levando em consideração esses dados e a preferência das pacientes, nota-se que as indicações para uso de implantes anatômicos são muito restritas e que a maioria das pacientes se beneficia de próteses redondas que podem ter perfil moderado, alto ou super alto.

E-book O Guia das cirurgias das mamas

O Dr. Thiago Degani é especialista em cirurgias das mamas e, como toda a equipe da Tempo Cirurgia Plástica, está sempre atualizado cientificamente, para promover o melhor tratamento para as pacientes de mamoplastia de aumento, mastopexia ou mamoplastia redutora. Agende a sua consulta pelo telefone (31) 3261-0055 ou pelo WhatsApp (31) 99968-6444.

Bibliografia:

1 – Comparing Round and Anatomically Shaped Implants in Augmentation Mammaplasty: The Experts’ Ability to Differentiate the Type of Implant.Rubi CG, Lozano JA, Pérez-Espadero A, Leache ME. Plast Reconstr Surg. 2017 Jan;139(1):60-64.

2 - Rubi CG, Lozano JA, Pérez-Espadero A, Leache ME. Plast Reconstr Surg. 2017 Jan;139(1):60-64.