O que o tabagismo tem a ver com cirurgia plástica?

O tabagismo provoca uma série de alterações prejudiciais nos nossos organismos. Suas toxinas promovem pequenas lesões que comprometem de forma importante o bom funcionamento circulatório, cardíaco, pulmonar e diversos outros.

Dessa forma, o que podemos dizer é que cirurgia plástica e tabagismo definitivamente não combinam.

O paciente tabagista tem mais chances de complicações não só durante a cirurgia, mas também no pós-operatório.

Alterações pulmonares ou cardíacas podem interromper o procedimento cirúrgico ou atrapalhar o processo de recuperação. No pós-operatório, as alterações circulatórias se apresentam como cicatrização mais lenta e de pior qualidade. Essas complicações podem ser mais leves, como uma abertura na linha de sutura ou alterações na cor da pele, mas podem causar até necroses. Todas essas lesões são tratáveis por completo, porém, em um processo mais lento e com um importante comprometimento na qualidade estética da cirurgia.

Assim, para a sua segurança e garantia de melhor resultado, é importante que pacientes fumantes parem de fumar, no mínimo, 30 a 45 dias antes da cirurgia, para que todos esses riscos sejam minimizados.

Fique atento aos prazos e se prepare para uma cirurgia plástica bem-sucedida. Ainda tem dúvidas? Veja mais sobre o assunto no vídeo abaixo: