A adoção de técnicas de mastopexia com implantes mamários posicionados atrás do músculo trouxe grandes benefícios aos pacientes, especialmente na prevenção da queda precoce das mamas. Entretanto, as táticas cirúrgicas que posicionam as próteses de silicone dessa maneira podem apresentar aspectos negativos ou simplesmente não serem indicadas em todos os casos.

Os aspectos negativos associados a implantes retromusculares nas mastopexias são:

  1. Dor pós-operatória mais intensa.
  2. Tendência de os implantes mamários ficarem posicionados excessivamente altos. Esse inconveniente é minimizado empregando-se a técnica dual plane e faixas de contenção.
  3. Possibilidade do surgimento do aspecto de dupla bolha observado à medida que as mamas sofrem ptose (queda) e os implantes mamários permanecem altos, retidos pelo músculo.
  4. Dificuldade de se empregar a técnica dual plane em mamas grandes ou que requerem grandes descolamentos e remodelação das glândulas mamárias. Nesses casos, pode-se posicionar os implantes atrás do músculo pela técnica clássica, ou seja, abrindo mão da técnica dual plane, ou confeccionar retalho de pedículo inferior fixado ao músculo pela técnica dual plane. No primeiro caso, há o risco de os implantes mamários subirem muito e no segundo há o risco de ptose do polo inferior das mamas, uma vez que se mantém grande volume de tecido mamário inferiormente.

 

Por outro lado, há casos de mastopexia   em  que não está indicado posicionar o silicone atrás do músculo:

  1. Pacientes com mamas cuja distância entre os mamilos e o sulco mamário, a parte inferior dos seios, é muito curta se beneficiam de implantes de silicone posicionados na frente do músculo (retroglandular ou subfascial) uma vez que há uma tendência de os implantes descerem e, com isso, alongarem o polo inferior das mamas, o que não seria observado nas técnicas que posicionam o silicone atrás do músculo.
  2.  Casos de mastopexia com implantes mamários muito pequenos (menores que 175ml) ou muito grandes (maiores que 375ml). No primeiro porque o peso dos implantes não aumentaria de forma significativa o risco de ptose mamária e no segundo pela simples dificuldade técnica de se posicionar adequadamente atrás do músculo um implante mamário de grande volume durante uma mastopexia.

 

Além dos itens descritos acima, deve-se levar em consideração a preferência da paciente que, sem ser impositiva, pelas próprias limitações de conhecimento técnico do leigo, é um fator importante para a tomada de decisão do cirurgião.

Pacientes que desejam elevar as mamas podem se beneficiar de uma mastopexia que pode ser realizada com ou sem implantes mamários que, por sua vez, podem ser posicionados na frente ou atrás do músculo, dependendo de cada caso.

Para mais informações, entre em contato pelo Whatsapp (31) 9968-6444 ou ligue (31) 3658-6444.

Dr. Thiago Degani  - Cirurgião Plástico Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, especialista em cirurgias do contorno corporal e rejuvenescimento facial.