A abdominoplastia é uma das cirurgias mais realizadas em mulheres que já tiveram filhos, uma vez que as alterações anatômicas provocadas pela gravidez, como flacidez de pele e diastase (separação) dos músculos retos abdominais, muito raramente podem ser totalmente revertidas por dietas e atividades físicas.

Essencialmente, pode-se realizar uma abdominoplastia total ou uma miniabdominoplastia, sendo que esta corresponde a apenas 25% dos casos, já que os critérios de inclusão são bastante restritivos.

Pacientes candidatas a uma miniabdominoplastia devem apresentar todas as três características abaixo:

1. Ter pouca flacidez abdominal global. Pacientes com muita flacidez abdominal, mesmo que restrita apenas à região abaixo do umbigo, devem submeter-se à abdominoplastia total.

2. Não ter flacidez acima do umbigo. A miniabdominoplastia não trata a flacidez de pele acima do umbigo.

3. Ter umbigo alto. Atualmente utilizamos principalmente a miniabdominoplastia com desinserção de umbigo, o que permite corrigir a diastase dos músculos retos abdominais acima e abaixo do umbigo, bem como acomodar a pele do abdome de forma natural e precisa. Nessa técnica, o umbigo, que mantém-se sem cicatriz, desce de 1cm a 3cm, o que impede pacientes com umbigo baixo de submeterem-se a essa cirurgia, para não ficar com o umbigo muito próximo do púbis.

Nota-se, portanto, que a opção pela miniabdominoplastia não é questão de escolha da paciente, mas sim de indicação clínica, feita por cirurgião plástico especialista, durante uma  consulta médica.

Para mais informações e para marcar sua avaliação, entre em contato pelo Whatsapp (31) 9968-6444 ou ligue (31) 3658-6444.

O dr. Thiago Degani é cirurgião plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, especialista em cirurgias do contorno corporal e rejuvenescimento facial.