A incidência do câncer de mama ocorre em função da multiplicidade de fatores. De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo aos fatores protetores.

Estima-se que, por meio da alimentação, nutrição e atividade física, é possível reduzir até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. Controlar o peso corporal e evitar a obesidade, com alimentação saudável e prática regular de exercícios físicos, e evitar o consumo de bebidas alcoólicas são recomendações básicas de prevenção.

A luta hoje é pelo diagnóstico precoce, pois, quanto mais cedo este ocorrer, o prognóstico (previsão sobre o que pode acontecer) é mais favorável. Por isso, a informação é uma grande aliada.

Conheça alguns mitos e verdades em relação ao câncer de mama:

- O uso de desodorante não é fator de risco.

- Próteses de mama não aumentam os riscos.

- Pessoas sem casos na família também podem desenvolver a doença. Cerca de 80% das mulheres com câncer de mama não tinham parentes com a doença na ocasião do diagnóstico.

- O risco da doença é maior para aquelas mulheres com parente de primeiro grau acometidas, ou seja, mãe, irmã ou filha. Esse risco é especialmente aumentado se o familiar tem câncer antes dos 50 anos e/ou em ambas as mamas.

- O autoexame não é capaz de diagnosticar o câncer nos estágios iniciais da doença, por isso, a ida ao médico e a realização de exames de rastreamento são necessárias.

- No entanto, o autoexame deve ser estimulado por ser uma das formas de diagnóstico no câncer de intervalo, ou seja, aquele que se apresenta sintomático em pacientes com mamografia de rastreamento prévia sem sinal de tumor, antes da realização de nova mamografia de rastreamento,

- Homens também podem desenvolver a doença. A relação é de aproximadamente 1/100 em relação às mulheres.

- Mulheres obesas apresentam maior risco na pós-menopausa. A gordura tem a capacidade de transformar o hormônio androstenediona da suprarrenal em hormônio feminino, aumentando o risco para desenvolver a doença.

Visite seu médico com frequência para realizar os exames necessários.

Texto do nosso convidado dr. André Viana.